Últimas indefectivações

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Benfiquismo (CCCX)

Central goleador...

Vermelhão: qualificação com derrota !!!

Benfica 1 - 2 Nápoles


Em primeiro lugar destacar a qualificação, pelo 2.º ano consecutivo, com um grupo equilibrado e competitivo. Onde as duas melhores equipas acabaram por passar. Mesmo com os 4 pontos desperdiçados nos confrontos com o Beskitas, o Benfica acabou por merecer a qualificação... Foi pena, aquela última meia hora em Istambul, porque com uma vitória nesse jogo, o Benfica teria obtido a qualificação, e este último jogo, teria tido outro contexto, possibilitando a preparação do derby do próximo domingo...
O Dínamo acabou por fazer a sua obrigação (!!!), os Turcos depois de tanta 'vaca', acabaram por finalmente terem um pouquinho de 'azar': recordo o golo desperdiçado pelo Guedes na Luz, que daria o 2-0, antes do golo do Talisca; recordo o penalty desperdiçado pelo Nápoles no San Paolo e o golo da vitória do Besiktas nos minutos finais, em fora-de-jogo...; e recordo aquele meia-hora final do Benfica em Istambul... depois do Mitro falhar o 0-4 !!!
Em relação à derrota de hoje, confesso, fiquei muito irritado!!! Não porque perdemos (em desporto tudo pode acontecer), mas pela forma como não 'preparámos' o jogo!!! A filosofia predominante em Itália, passa pela adaptação da estratégia ao adversário. Em Portugal, nos 'grandes' nem por isso... Pois, o Benfica, com Rui Vitória, mas também com o antecessor, tem esta estranha tendência suicida, de não 'mudar' nada no nosso esquema!!!!
Eu sou daqueles que defende o 'nosso' 442, acho que em mais de 90% dos jogos que o Benfica disputa por época, o 442 é de longe o melhor Modelo, mas depois existem os restantes 10%... E nós continuamos a não fazer qualquer tentativa de adaptar-nos às circunstâncias!!!
Não é novidade nenhuma, é uma história recorrente: sempre que o Benfica, defronta uma equipa de grau de dificuldade elevado, que joga em 433, temos sempre, sempre, sempre muitas dificuldades!!! Mais ainda quando defrontamos adversários fisicamente mais fortes no corpo-a-corpo... perdendo assim quase todos os duelos individuais!!!!
Hoje, além da 'natural' inferioridade numérica no meio-campo, ainda houve dois 'pormaiores' que 'mataram' qualquer possibilidade do Benfica 'disputar' de igual para igual, esta jogo:
- a 'quase' marcação individual do Fejsa ao Hamsik: os italianos perceberam, o Eslovaco, em 'construção' recuava praticamente para defesa-esquerdo, e o Fejsa ia atrás dele... abrindo um enorme buraco no centro...
- após os primeiros minutos, o Salvio recuou... começou a fazer parte da 'linha defensiva do Benfica', ficámos a jogar com praticamente 5 defesas em linha!!!!
Com estas duas variações, a nossa linha de meio-campo, desapareceu... Os Napolitanos, ficaram com 'estrada' aberta para fazerem os passes para as costas da nossa defesa...!!!
Aquilo que me deixou ainda mais irritado, é que isto era visível... e durante os 90 minutos, nada foi alterado, nem sequer tentado!!!!
Pior ainda, é que esta estratégia anti-Benfica, de fazer superioridade numérica no nosso lado direito da defesa, tem sido usada repetidamente nos últimos confrontos com os Corruptos e aconteceu recentemente na tal última meia-hora de Istambul...
Rui Vitória, já cometeu outras decisões erradas, mas normalmente, tem uma boa capacidade de auto-crítica, e nos jogos seguintes rectifica... Mas sobre esta situação, ainda não encontrou antídoto!!!
E hoje, mesmo se não tivesse sido 'treinado' (mas deveria ter sido analisado, porque nós sabíamos que o Nápoles vinha jogar assim), a opção óbvia, sem fazer substituições, seria colocar o Guedes a defender na direita, e jogar num 451...
Podia até não resultar, mas pelo menos tínhamos tentado alguma coisa...
E vamos ver se Domingo, não vamos enfrentar um esquema idêntico!!!
A crónica já vai longa!!! Apesar de todas as nossas 'falhas', temos que reconhecer que este Nápoles, tem uma excelente equipa, muita qualidade individual (Hamsik, Alan, Albiol... muito bons na 1.ª fase de construção - apesar do erro do Central no final). O curioso é que esta equipa do Nápoles (orçamento estratosférico comparado com a realidade portuguesa), depois da vitória em ao Benfica na 1.ª volta, entrou em crise!!! E esteve uma série de jogos sem ganhar... e a jogar mal!!! Mas nas últimas semanas, voltou a subir de forma... e a vitória sobre o Inter na última sexta-feira confirmou essa subida...!!!

Outro pormenor inquietante, são os golos desperdiçados pelo Benfica: em Istambul, na Madeira e hoje, falhámos golos muito golos... e mais: nos primeiros 20 minutos da 2.ª parte, numa altura onde o resultado ainda está em aberto (nos 3 jogos), falhamos golos escandalosamente, e praticamente na resposta, sofremos um golo...!!!
Hoje, foi aquele passe picado do Pizzi, que o Rafa e Jiménez chegaram milimetricamente atrasados!!!

Não vou fazer as habituais análises individuais. Porque quando existe este encaixe estratégico tão desigual, as performances individuais são 'irrelevantes'!!! É fácil, dizer que os jogadores não correram, que os jogadores não foram profissionais, que os jogadores são maus, que os jogadores estão cansados... tudo isso pode ser dito, ou insinuado, mas para mim, a partir do momento que as 'peças' foram tão mal colocadas no 'tabuleiro', o jogo ficou decidido...
Um exemplo perfeito desta má gestão de recursos, foi o Fejsa: terminou o jogo completamente 'roto', tal como o Luisão... com melhor organização, tudo seria diferente!!!
Mesmo assim, uma nota para o golo embalado pelo 'Eu amo o Benfica'... e com um bocadinho mais de discernimento, até podia ter dado para empatar!!!

O único aspecto, onde Rui Vitória tem 'desculpa' é no nosso processo ofensivo!!! Sem Grimaldo, tudo fica mais difícil... Os nossos adversários sabem disso!!! O André Almeida cumpre defensivamente, é praticamente dado de 'barato'... permitindo ao esquema defensivo dos nossos adversários concentrar todas as suas unidades, no nosso flanco direito... E com o tal 'povoamento' em excesso em cima do Semedo e do Salvio, depois tornar-se difícil fazer os desequilíbrios ofensivos!!!

De todos os cenários possíveis para esta noite, aquele que me assustava mais era a queda na Liga Europa... sendo assim, nem tudo foi mau!!!!!!
Amanhã saberemos quais serão os nossos possíveis adversários!!! No Pote 2, vão ficar equipas muito fortes, portanto ter ficado em 2.º não é assim tão penalizador... Pessoalmente, preferia jogar com uma equipa do nosso 'campeonato' nos Oitavos, e depois nos Quartos, ter outro 'Bayern'... Mas até Fevereiro, muito coisa vai mudar... a começar pela disponibilidade física do nosso plantel!!!

PS: Estivemos 'quase' a conseguir ter um minuto silêncio de grande dignidade no Estádio da Luz, mas os parvos das palmas lá tiveram que aparecer!!!

Vitória, com viagem marcada...!!!

Benfica 2 - 0 Nápoles


Qualificação garantida, num jogo onde desperdiçamos muitos golos... o 0-0 ao intervalo, era mentiroso e muito perigoso... com equipas Italianas nunca se sabe!!!
Com os 'reforços' tudo ficou mais fácil, mas recordo que ganhámos em Nápoles, sem o Dias, sem o Buta, sem o Joãozinho e mesmo sem o Zé Gomes (que hoje também não jogou...)!
4 anos, 4 qualificações para a eliminatória seguinte, na Youth League... pode parecer pouco importante, mas são 'resultados' destes que ajudar a dar prestígio à nossa formação, dão experiência aos nossos jogadores, permitem-lhes o crescimento competitivo e indirectamente, acabam por valorizar os nossos jovens...
Terminámos em 2.º lugar do grupo, assim vamos ser obrigados a disputar uma eliminatória extra. O jogo será fora do Seixal, e será disputado a 7 ou 8 de Fevereiro. Dos possíveis adversários só dois nomes 'assustam'!!! Mas com os jogos a serem disputados ainda no Inverno, temos aqui várias possibilidades 'geladas':
Ajax (hol)
Altınordu (tur)
Maccabi Haifa (isr)
Midtjylland (din)
Roma (ita)
Rosenborg (nor)
Salzburg (aus)
Viitorul (rom)

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Um diabo negro e sem piedade

"O segundo de dois «derbies» disputados nos Estados Unidos, em Foxboro, terminou com a vitória clara do Benfica sobre o Sporting (3-0). Depois, de forma inédita, ambas as equipas regressaram a Lisboa no mesmo avião.

«Benfica e Sporting viajaram no mesmo avisão!»: eis a manchete. Com honras de primeira página. Era assim mesmo em 1972. Julho de 1972. Acrescentava-se: «Deve ser quase inédito! Mas os dois esquadrões regressaram juntos esta manhã, em bloco, da aventura norte-americana que rendeu umas centenas de contos aos clubes e jogadores». E que viagem era essa que juntava dois clubes irmãos quase sempre desavindos? Era o regresso a Lisboa e Tejo e tudo. Um regresso dos Estados Unidos, de Foxborough.
Foxborough, arredores de Boston, no Estado de Massachusetts. Também lhe chamam Foxboro. Chegou a ser, em tempos que lá vão, a capital do fabrico de chapéus de palha. Muitos emigrantes portugueses vivem nas redondezas. Motivo mais do que óptimo para realizar dois jogos amigáveis entre Benfica e Sporting para lusitano ver. Sobre o primeiro desses confrontos, falaremos um dia, nesta sua página. Vamos ao segundo.
No Schaeffer Stadium, catorze mil espectadores deixaram na bilheteira mais de 1900 contos e viram o Benfica fazer uma exibição de gala e bater confortavelmente o seu grande rival na sequência de movimentos notáveis de categoria e empenho.
Os golos foram todos na segunda parte: três. Um de Eusébio, de «penalty»; um de Jordão, que tamém sofreu a falta que deu a grande penalidade, e o terceiro de Nené. Eram duas equipas imponentes. Veja-se:
BENFICA - José Henrique; Malta da Silva, Humberto, Messias e Adolfo; Rui Rodrigues, Toni e Vítor Martins; Nené, Artur Jorge e Eusébio. Jordão entrou no segundo tempo para o lugar de Artur Jorge.
SPORTING - Botelho; Pedro Gomes, Laranjeira, José Carlos e Hilário; Tomé, Gonçalves e Peres; Marinho, Yazalde e Nelson.
Já se sabia antes de a bola começar a rolar: havia um prémio de 12 contos para cada jogador da equipa vencedora. Nada de deitar fora...
Soltou-se o diabo negro...
Os golos só espirraram a partir do minuto 70, mas não foi essa a verdade dos acontecimentos. Durante a primeira parte, o Benfica fez o suficiente para garantir vantagem tranquila. Nené, Humberto e Vítor Martins tiveram oportunidades para abrir o marcador, mas perderam-nas por uma razão ou outra.
Não que o Sporting tenha feito papel de cordeiro que espera a imolação. Nada disso! Quem tinha Yazalde arriscava-se sempre a marcar um golo pelo menos, e o argentino andou lá perto. A diferença era esta: o Benfica jogava em ataque continuado, e o Sporting preferia o contra golpe.
Substituições ao intervalo. Nos leões, Danilo e Nando para os lugares de Tomé e Yazalde. Nas águias, aquela já assinalada lá atrás: Artur Jorge por Jordão.
Felino, negro como uma sombra assustadora, Rui Trindade Jordão tornou-se temível. Quem o segurava? Pulava por entre os defesas contrários como um diabo cuspindo fogo. A cada minuto que passava tornava-se mais perigoso, encontrava-se mais perto da baliza de Botelho. No minuto 70, no tal fatal minuto 70, briga na área do Sporting com Pedro Gomes e Laranjeira. Cai e é «penalty» assegura o árbitro norte-americano Jim Powell. Eusébio, sempre Eusébio, corre para o ponto solitário dos 11 metros. Como é seu hábito, não falha. O Benfica ganha vantagem e, pelo desenrolar dos acontecimentos, ganha também o jogo.
Não existe por parte dos homens de Alvalade fulgor suficiente para contrariarem a superioridade encarnada. A resistência física e moral está de rastos. Jordão prossegue, imávido, no seu recital. Ainda muito longe da baliza, recebia uma bola com um domínio perfeito Ajeita-me para o remate perfeito e irretocável. É golo!!! Com pontos de exclamação.
Outros poderiam ter sido marcados. Houve hipóteses para isso. Mas só aconteceu mais um, por Nené, a dois minutos do final de prélio: 3-0. Os bolsos dos benfiquistas ficavam mais cheios. Era tempo de correr para o autocarro e tomar o rumo do aeroporto na tal viagem conjunta com algo de inédito e com muito de saudável. Lisboa, ao longe, esperava pelos seus clubes preferidos. Ainda que sempre rivais, seja em que lugar do mundo for..."

Afonso de Melo, in O Benfica

'Um mar humano'

"Desmaios e invasão de campo no dia da conquista do nono Campeonato Nacional.

O Campeonato Nacional de futebol teria o seu epílogo a 31 de Março de 1957. O Benfica embora líder da classificação, somava apenas mais um ponto que o FC Porto. Tudo se decidiria nessa última jornada. O Benfica teria de ganhar, na Luz, frente à Académica para conquistar mais um título de campeão nacional.
Os momentos que antecederam o encontro foram de intensa expectativa. O público cedo começou a encaminhar-se para o Estádio. Formou-se uma 'verdadeira multidão', um 'mar humano'. Mas nem só de encarnado se vestiam as bancadas da Luz, pois 'os estudantes deslocaram a Lisboa numerosa falange de apoio'.
O jogo teve início às 15h. O Benfica rapidamente mostrou 'que, mais minuto menos minuto, a bola dançaria nas malhas da baliza contrária'. No entanto, a Académica resistiu no primeiro tempo e a ansiedade crescia. Já no início da segunda parte, o 'Glorioso' inaugurou o marcador. 'À bancada (...) acorreram os bombeiros com a maca e, sobre ela, vencido pela emoção, um adepto dos «encarnados» foi transportado' para o balneário, inerte. Quatro minutos, depois, novo golo 'encarnado' e... outro desmaio. 'Desta vez foi uma senhora (...). A maca não chegou a ser necessária. Mais animosa, a senhora em breve se recompôs. Desceu aos balneários, bebeu um calmante, e lá foi, pista fora, recuperar o seu lugar'.
O tempo corria, os minutos passavam e o desejo de chegar ao fim e festejar era cada vez maior. Quando o árbitro deu por finda a partida, foi 'o fim do mundo!'. O Benfica ganhara por 2-0, era campeão nacional!
A multidão, na ânsia de erguer em triunfo os campeões, começou a saltar para dentro do campo. Vinham de todos os lados. O relvado ficou 'repleto de público, sem se perceber bem como e donde saiu, pois as bancadas continuavam repletas'. 'Nunca o Estádio da Luz apresentou tão festivo aspecto'. Roland Oliveira esteve presente e fotografou.
Depois, a festa continuou na cabina. Os dirigentes do clube abraçavam-se, abraçavam 'os jogadores' e, 'enquanto o champanhe corria a jorros', o homem do desmaio acordou, 'olhos à sua volta, localizou o ambiente e começou a gritar: Benfica! Benfica! Benfica!'
Pode ver esta e outras fotografias na exposição Roland Oliveira, em exibição na Rua Jardim do Regedor, em Lisboa."

Mafalda Esturrenho, in O Benfica

Benfquismo (CCCIX)

É tempo de construir Lendas...